Uma aventura de viagem no tempo

Uma HQ além do entretenimento.

Um instrumento de divulgação da ciência.

Coleção produtos

A franquia Dino Hazard inclui livro, game, bonecos, canecas, réplicas de fosseis e outras peças... conheça!

Profissionais

Rigor científico garantido pela equipe envolvida que conta com paleontólogos e artista especializado em fósseis.

Cores

HQ toda colorida para representar como era a diversidade das cores dessas espécies, assim como são as aves atuais.

Tito Aureliano

Autor

Paleontólogo, atualmente fazendo doutorado na Unicamp, Tito possui destaque em múltiplas frentes.
Como cientista, ele vem realizando publicações de relevância internacional há mais de uma década, em sua especialidade: dinossauros e outros arcossauros extintos. É co-diretor e coordena as atividades do canal “Colecionadores de Ossos”. No meio literário, Tito publicou sua obra de ficção-científica “Dino Hazard: Realidade Oculta”, em 2016.

Márcio L. Castro

Ilustrador

Ilustrador autoditada que quando criança queria ser biólogo, mas foi na ilustração que encontrou sua vocação unindo tudo que mais gosta: arte e ciência. Profissional do mercado editorial há mais de 20 anos com larga experiência em livros didáticos para editoras como Abril, Moderna, Ática, Brasil, Dimensão. Ilustrações de infográficos para revistas e jornais de curiosidades do mundo animal como Super Interessante, Folhinha, Mundo Estranho. Ilustrações científicas para museus e artigos de paleontólogos.

Valor especial de lançamento

(aproveite o desconto de 15% com o cupom DINOLETA)

Galeria

É uma narrativa elaborada por artistas e paleontólogos. É uma história que celebra uma das mais importantes novas fronteiras para a pesquisa de dinossauros, onde novos fósseis são encontrados em um ritmo impressionante, conforme jovens cientistas partem em busca de aventura e conhecimento. Brasil. Um lugar que eu adoro, que visitei para trabalhar com cientistas brasileiros para escavar e estudar dinossauros juntos, e um lugar para o qual espero retornar. (traduzido)
A história de Tito Aureliano e a descrição precisa dos dinossauros, magistralmente ilustrados por Márcio L. Castro, nos leva a um passado distante mas paradoxalmente próximo: Giovanna é brasileira, e como todos nós, às vezes desiste, sim. Porque nem sempre temos o incentivo necessário, nem sempre estamos no lugar certo e na hora certa, mas quando vemos uma oportunidade, não tem santannaraptores ou multituberculados que fique em nosso caminho.
Na história de Dino Hazard finalmente encontrei a paleontologia brasileira romantizada na ficção e agora da maneira mais legal que se possa imaginar, em quadrinhos! Depois de ler o livro, trabalhando só com minha imaginação para “visualizar” tudo, finalmente pude literalmente ver as cenas tão marcantes concretizadas em cores pelas mãos do talentosíssimo Márcio, contando visualmente a trama cheia de aventura, drama e claro, ciência que Tito criou.
Se você se interessa por ficção científica, por dinossauros e Paleontologia, por obras de tirar o fôlego sem medo de chocar o leitor, esta obra foi feita para você. E tudo fica ainda mais especial ao saber que os animais representados ali não são obra da imaginação, mas sim animais reais que viveram e foram extintos aqui nas nossas terras, aqui no Brasil. É uma obra que nos mostra que é possível unir ficção e divulgação científica, que diverte o leitor ao mesmo tempo que ensina. Leia com atenção, tome nota dos principais eventos e, caso você seja transportado acidentalmente para o passado, tome muito cuidado onde você irá se abrigar!
“Físicos e Paleontólogos têm em comum a capacidade de pensar sobre os fenômenos não só no espaço, mas também através do tempo”, como dito pelo Professor Strauss, eu gostaria que meu eu criança pudesse ter lido “Dino Hazard”. Com toda certeza eu imaginaria melhor com quais dinossauros eu poderia me encontrar, que tipo de vegetação eu iria observar e o mais importante: teria a certeza de que é possível ser uma mulher na ciência. É importante que a ciência seja incentivada na nova geração e que as meninas saibam que elas podem ser questionadoras e inventivas. Fazer ciência, explorar e questionar também é coisa de menina.

Equipe envolvida

Conheça toda a equipe que participou da produção desse projeto.